Júnior, pleno ou sênior: você sabe a diferença entre estes níveis profissionais?

Júnior, pleno ou sênior: entenda em qual nível você está

Consultor Comercial Júnior”, “Analista de Marketing Pleno”, “Analista de Recursos Humanos Sênior”. Você já deve ter reparado no RIOVAGAS, que alguns recrutadores, na descrição dos cargos, estipulam se desejam receber currículos de profissionais de nível júnior, pleno ou sênior (que podem aparecer encurtados, nas siglas JR, PL, SR). Você sabe em qual nível você está?

A denominação de nível de cargo júnior, pleno ou sênior sempre gera divergências no mercado de trabalho, pois os critérios dessa categorização são variáveis e vão além da idade do profissional ou o tempo de experiência.

Júnior, pleno ou sênior?

Independente do tempo de experiência, o cargo júnior é aquele que necessita de acompanhamento de pessoas mais experientes e não possui autonomia na tomada de decisões. Já o pleno realiza tarefas de maior complexidade sozinho, toma decisões, mas não coordena ou compartilha seus conhecimentos com mais novos. O sênior, por sua vez, é o profissional que tem uma boa bagagem profissional, tem total domínio técnico da área e, por ser referência para toda uma equipe, pode assumir funções de liderança.

Crescendo dentro da empresa

A classificação profissional não é uma conta exata. A mudança de cargo é algo que gera aumento salarial, mas também de responsabilidades. Se o funcionário não demonstrou ter desenvolvido as competências necessárias para as novas atividades, ele não poderá ser promovido para o próximo nível.

Nomenclaturas podem variar de empresa para empresa

Da mesma forma que os cargos podem se confundir no ambiente corporativo, os níveis também não são tão estáticos. Por exemplo, em empresas de grande porte, é comum que haja cargos intermediários, como “gerente júnior”, que significa que o profissional terá alguma liberdade para tomar decisões ou poderá liderar um pequena equipe.

Algumas empresas também usam a nomenclatura Master, para nomear profissionais com ainda mais experiência e domínio técnico do que os seniores.

Devo incluir o nível no meu currículo?

Agora que você sabe que, além do tempo de experiência, é preciso levar a complexidade das tarefas em consideração, você deve estar se perguntando se deve incluir seu nível profissional no currículo quando se candidatar à uma vaga. A resposta é: melhor não.

Como foi dito, essa divisão em júnior, pleno e sênior tem suas variações dependendo da empresa ou área de atuação. Ou seja, ou pleno de uma empresa pode ser considerado sênior em outra.

Portanto, para evitar ser excluído do processo seletivo por conta de possíveis diferenças de compreensão das nomenclaturas que você e o empregador possam ter, não se prenda aos nomes e atenha-se ao que pede a empresa.

Informe o cargo desejado no “Objetivo” e os cargos ocupados e descrição de atividades nas “experiências profissionais”, que é o que demonstrará suas aptidões para o cargo. Deixe que o recrutador decida se você é um profissional júnior, pleno ou sênior.

Gostou das dicas? Compartilhe!

Procurando oportunidades de emprego? Acesse o RIOVAGAS