10 dicas de marketing pessoal para se vender melhor na carreira

marketing pessoal

Você sabe vender bem a sua imagem e as suas ideias? Ou, já se sentiu desvalorizado mesmo com um excelente conteúdo? Mesmo com todas as qualidades técnicas, você não sobrevive no mercado se não tiver jogo de cintura, resiliência e saber se vender bem. Para ajudar a melhorar o seu marketing pessoal, confira dicas que ajudam a ressaltar o conteúdo e deixar a “vitrine” mais atrativa.

 

10 Dicas de marketing pessoal

Segundo Harley Correia, especialista em inbound marketing e CEO da agência InsideOut, o primeiro passo é saber qual é a imagem que se deseja passar e para quem.

“Quais os cargos, empresas e objetivos que você tem em mente são algumas perguntas iniciais. Depois dessa definição, o foco é tornar-se interessante para esse público. Isso pode ser feito através do seu perfil, começando por coisas simples, como a sua foto. É preciso avaliar se ela passa credibilidade, se transmite a imagem de um especialista que vai solucionar problemas.”

O terceiro passo, segundo ele, é formular uma pequena introdução sobre você, com informações como o que você faz, a sua especialidade e os seus diferenciais.

“Defina a imagem que você quer passar e fortaleça a sua presença. Conecte-se com pessoas, interaja com suas publicações e compartilhe seu conteúdo. Veja as redes sociais como uma vitrine para mostrar a sua melhor versão nos poucos segundos que alguém está passando por ela”, sugere Correia.

Além dessas orientações, interagir nas redes sociais faz toda a diferença. Não é dar corda para qualquer discussão, mas comentar postagens e compartilhar a sua visão com algo que tenha a ver com o mercado que você quer atingir.

“Seja interessante e compartilhe conteúdo relevante. Não precisa ser só seu. Comentar uma notícia ou um grande lançamento também é uma ótima forma de parecer antenado.”

Veja abaixo a seleção de 10 dicas para você aprender sobre marketing pessoal:

1. Seja autêntico

Interiorize o que você é e bote isso em linhas de orientação. É muito difícil falar sobre si, mas comece listando cinco coisas que você gosta, cinco em que você acredita e mais cinco que você odeia.

2. Defina porque você existe

O que te motiva a continuar? Qual o seu propósito? O que faz você acreditar e lutar todos os dias? Propósito é o que te move, o que faz você entrar na luta, apostar na jogada e seguir.

3. Quem está na sua roda de amigos?

Encare seus clientes como amigos. Quem são as pessoas que você acredita e que você gostaria que acreditassem em você? Para quem você quer falar? E porque isso importa?

4. Qual o recheio do seu biscoito?

Bolacha ou biscoito, tem que ter recheio! Qual o recheio da sua marca? O que te torna único? Não entenda inovação como construir algo novo, mas também como um novo olhar sobre velhas coisas.

5. Invista numa identidade visual

Faça o seu cliente ter sede de te conhecer. Conquiste na primeira impressão. Para isso, nada melhor que uma identidade visual adequada, que represente quem você é.

6. Fale no seu tom

Fale baixo se esse for o seu tom, fale alto se sua voz impõe altura. Não há regra. Você não tem que imitar ninguém, pessoas vão te procurar pelo que você é. Está liberado ser você.

7. Crie uma rede

Curta, comente e compartilhe, mesmo que aquele não seja seu próprio conteúdo. Marketing pessoal não é sobre ter milhares de seguidores, é sobre criar uma rede de qualidade.

8. Público ou privado?

Como estão suas redes? Seu perfil é público ou privado? Eu prefiro deixar o meu perfil público e liberado, para quem se identifica com as minhas palavras. Entenda o que seu público deseja.

9. Não fique em cima do muro

Eu sou a favor do posicionamento claro, aberto e preciso. Sim, você tem o direito de mudar de lado, você tem o direito de pensar. Opinar é dizer quem é você. Se a causa te importa, posicione-se.

10. Seja visto

Quem não é visto não é lembrado. Participe de eventos, encontros, palestras, congressos e feiras. Marque um café. Esteja presente no Linkedin. Mostre seu trabalho.

Fonte: O Globo

Gostou desse artigo? Então você pode gostar desse também Como buscar a satisfação profissional?